Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


A impunidade dos fortes

por antipulhítico, em 20.02.20

 

Num contexto de esforço financeiro pedido aos contribuintes, que continuam a pagar a gestão danosa destes alquimistas do grande capital, o mínimo exigível seria garantir a liquidação das coimas e multas aplicadas. Como poderá perceber na edição de hoje do JN, nem isso acontece. Dez antigos gestores foram chamados a liquidar 16,8 milhões de euros, tudo na sequência de irregularidades detetadas pelos supervisores, só que, por motivos vários, a maioria das multas ficam por cobrar. A contestação é quase sempre gizada em grandes escritórios de advogados e, não raras vezes, termina em prescrição. O resultado é devastador para a credibilidade do Estado.

A crise da banca, uma desconstrução de instituições e personalidades que se projectaram de braço dado com políticos importantes um pouco por todo o Mundo, não é de agora. Os primeiros abalos foram sentidos em 2008 e as cascatas desabaram até chegarem a esta estabilidade construída em porcelana, onde somos aconselhados a mexer devagarinho. À queda dos impérios, os países foram respondendo com estratégias distintas. Do 80 da pequena Islândia, onde foi criada uma prisão especial para os responsáveis por fraudes, corrupção e branqueamento de capitais, ao 0,8 de Portugal, onde a verdadeira punição caiu em cima dos contribuintes.

É por isso que não me surpreende que também no nosso país comecem a conquistar admiradores movimentos acantonados nas franjas da democracia. A culpa é de todos, mas sobretudo de um Estado cuja eficácia na cobrança parece extinguir-se quando os prevaricadores são os donos das grandes fortunas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D